sábado, novembro 04, 2006


Do [site da prefeitura de São Paulo], da Coordenadoria de Segurança Urbana

(vale prestar atenção no discurso repressor que fundamenta a colocação das câmeras, grifado em negrito):



Programa de Monitoramento do Centro da Cidade de São Paulo

Na cidade de São Paulo, verifica-se um grande número de pessoas e veículos que utilizam e transitam nos logradouros que se cruzam nessa grande cidade, para se dirigirem aos seus trabalhos, escolas, etc...

Nas vias de maiores fluxos são detectados diariamente diversos tipos de ações e omissões que são considerados violência ou crime propriamente dito, contra a segurança das pessoas e ao patrimônio.

Diante de tais fatos, a Prefeitura do Município de São Paulo, através de ação conjunta da Coordenadoria de Segurança Urbana e Subprefeitura da Sé, idealizaram o “Programa Monitoramento da cidade de São Paulo” que possibilita a instalação de Câmeras de vídeo para monitoramento, com o objetivo de assistir diuturnamente os locais de maiores incidências de atividades de caráter delituoso.

Tal recurso é utilizado pela CET, em topos de edifícios ou locais elevados, no monitoramento do fluxo de trânsito na Capital de São Paulo que comprovou sua eficácia.

Para a avaliação dos pontos de instalação de Câmeras de vídeo para monitoramento, foi realizado primeiramente um estudo nos tipos de equipamentos utilizados pela CET e SPTrans, na sua Central de Controle e constatou-se que o melhor tipo de Câmeras de vídeo para monitoramento é a Câmera Rotativa, que pode atingir um alcance de visualização plenamente satisfatória, além de atender os 360 graus a partir do seu eixo de instalação, da sua área circunvizinha. Com base nesse resultado técnico foi realizado um estudo de campo, onde pôde ser avaliada a utilização de Câmera fixa ou rotativa conforme a característica de cada logradouro.

A implantação do Sistema de monitoramento por câmeras na região central tem como objetivo possibilitar uma ação eficaz de pronto atendimento para a manutenção da ordem e segurança das pessoas e do patrimônio.

Em 31 de julho 2006 a Guarda Civil Metropolitana, com 13 câmeras eletrônicas distribuídas por pontos estratégicos com abrangência de vigilância durante 24 horas por 65 ruas do centro da Capital deu início ao monitoramento.

Em 15 de setembro a primeira etapa do Projeto foi concluída, com 35 câmeras assistindo diuturnamente 94 logradouros, abrangendo o Centro Novo, o Centro Histórico, o Anhagabaú, a Nova Luz e a região da Rua 25 de Março.

As próximas regiões que terão monitoramento são: avenida Paulista e Parque Trianon, Glicério, Santa Ifigênia, Praça Júlio Mesquita, José Paulino, Penha, São Mateus, Mooca, Santana, Tucuruvi, Cidade Ademar, Lapa e Perus.